O que é HXM e por que ela se tornou indispensável para o RH das empresas?

Gestão da experiência humana é discussão central entre os profissionais de RH, e é vista como a principal estratégia para retenção de colaboradores

Os desafios impostos pela pandemia promoveram uma importante transformação na forma como o mercado de trabalho tem lidado com a retenção de colaboradores. Diante desse cenário, uma série de ações bastante criativas surgem, focadas principalmente no desenvolvimento pessoal e profissional do colaborador. São elas: auxílio-moradia, acesso a programas e plataformas que visam o bem-estar de cada um, e até mesmo ofertas de cursos de inglês especializados para área de atuação do profissional.

Oferecer tais benefícios dentro das corporações facilita na hora de atrair e, principalmente, reter talentos. Essas ações são o que chamamos de HXM (Human Experience Management) — ou em português, Gestão da Experiência Humana — e são tidas como a mais nova estratégia das corporações para melhorar a qualidade de trabalho de seus colaboradores e mantê-los na empresa por mais tempo.

Segundo uma pesquisa da agência de empregos Challenger, Gray & Christmas, 68% dos entrevistados estão preocupados com a saída de funcionários, e 85% dizem se deparar com a escassez de talentos. Ainda segundo a pesquisa, 65% das empresas afirmam que oferecem horários de trabalho flexíveis, 62% dão a opção de trabalho remoto, e 53% apoiam modelos de trabalho híbrido.

Apesar do salário e dos benefícios clássicos como plano de saúde, vale-alimentação e transporte serem fatores decisivos na hora de um profissional aceitar uma proposta de trabalho, a nova estratégia com foco no desenvolvimento profissional dos colaboradores pode fazer a diferença para o recrutamento e a manutenção de talentos em um momento em que profissionais mais experientes e qualificados são cada vez mais disputados.

Rafael Iapequino é Head de Marketing e Country Manager brasileiro da Slang, plataforma online para o aprendizado de inglês especializado em conteúdos profissionais e técnicos. Ele acredita que uma empresa tende a ter um nível de engajamento e performance mais alto quando possui colaboradores confortáveis com a cultura e valores do local em que trabalham, principalmente, quando se sentem valorizados naquele ambiente.

“Um time motivado, que busca capacitação, alinhado com sua cultura organizacional e seus valores, talvez seja um sonho não tão distante. Considerando isso, no HXM os colaboradores são incentivados a buscarem metas pessoais de desenvolvimento, como por exemplo o inglês focado no negócio”, declara.

Uma vantagem do ensino de idiomas com foco na área de atuação do profissional é a facilidade na hora do estudo, já que as expressões aprendidas fazem parte do dia a dia do profissional. Este método torna o aprendizado 61% mais eficaz.

A metodologia da Slang é totalmente baseada em dados, a plataforma possui uma interface simples e gamificada que mapeia as dificuldades e habilidades de cada aluno. Dessa forma, o sistema  garante uma experiência de estudo única que se adapta às necessidades de cada estudante. Possibilita também que empresas montem trilhas de aprendizagem customizadas para cada área ou função, combinando os cursos disponíveis. O que significa que, por exemplo, um profissional da área de TI terá cursos diferentes em seu plano do que alguém da área de Marketing.

É importante levar em conta que a maior parte do conhecimento global é produzido primeiro em inglês. E, atualmente, mais de 90% da força de trabalho no mundo não consegue  acessá-lo por não falar o idioma. Por isso, o conhecimento básico de inglês também não é suficiente, já que no dia a dia de trabalho termos específicos de cada segmento podem se tornar grandes obstáculos no mundo corporativo.

A startup colombiana, com sede em Boston, nasceu justamente com o objetivo de atacar esse problema que assombra muitas empresas e instituições: o analfabetismo profissional. Neste ano, a Slang desembarcou no Brasil e já conta com clientes  de peso como Grupo Raccoon, Sankhya, Conductor, entre outros. Já são mais de 130 cursos destinados a empresas que oferecem o inglês profissional como benefício aos seus colaboradores.

Colaborador como protagonista principal e ativo

Colaborador como protagonista principal e ativo

Um exemplo bem sucedido da aplicação do HXM como estratégia de retenção de talentos é a Colorkrew, empresa japonesa de tecnologia e inovação que descomplica a gestão de objetivos, ativos e recursos e há 23 anos se dedica a agregar mais valor na gestão do ambiente de trabalho e nos resultados produzidos. Com 130 funcionários de 12 nacionalidades distintas, a startup preza por times auto gerenciáveis e um ambiente disruptivo, tendo entre seus princípios o colaborador como protagonista principal e ativo, a transparência na comunicação com a equipe, além de utilizar metodologia de OKRs para fazer a gestão de tempo e tarefas.

Além disso, a cultura organizacional da empresa tem uma estrutura não hierárquica, com espaços de descompressão, feedbacks trimestrais e incentivo a viagens internacionais entre os colaboradores financiados pela própria empresa, priorizando não apenas o lazer e o descanso dos funcionários, como também a capacitação por meio de testes de proficiência com possibilidade de aumentos salariais ou promoções.

Post original: https://exame.com/bussola/o-que-e-hxm-e-por-que-ela-se-tornou-indispensavel-para-o-rh-das-empresas/

 

%d blogueiros gostam disto: